Comunicado
Os valores da Cana-de-açúcar e os valores da ATR só serão fornecidos para Associados da Olicana via telefone (17) 3281.1733, conforme instrução do Consecana e Orplana.
 
Pagina Inicial do Site Fale-Conosco
   
        OlŪmpia-SP, Domingo, 19 de janeiro de 2020
Aduba√ß√£o correta da cana sustenta a produtividade - OLICANA - Associação dos Fornecedores de Cana da Região de Olímpia-SP
  Página Anterior Versão para Impressão Aumente o tamanho do texto p m g
Adubação correta da cana sustenta a produtividade

 24/09/09

Em aduba√ß√£o devemos considerar a necessidade nutricional da cana-de-a√ß√ļcar, ou seja, quanto de nutriente precisa para produzir toneladas de colmos de cana-de-a√ß√ļcar. Essa quantidade de nutrientes √© determinada pela seguinte equa√ß√£o:



Quantidade de nutrientes = (necessidade da planta ‚Äď estoque do solo) x fator (f)
Quanto √† necessidade da planta deve analisar os nutrientes a serem fornecidos, quantidades necess√°rias para um determinado n√≠vel de produtividade, √©poca de aplica√ß√£o e localiza√ß√£o de nutrientes. A efici√™ncia dos fertilizantes (f), ou seja, o fator de aproveitamento do fertilizante pelas ra√≠zes da planta (absor√ß√£o), visa corrigir as perdas sofridas nos processos que ocorrem entre a aplica√ß√£o do fertilizante e a absor√ß√£o dos nutrientes pelas plantas, estas perdas ocorrem por eros√£o, lixivia√ß√£o, volatiliza√ß√£o, no caso da ur√©ia quando aplicada em superf√≠cie, desnitrifica√ß√£o biol√≥gica do nitrato e ‚Äúfixa√ß√£o‚ÄĚ no caso do f√≥sforo.

Erosão: remoção dos nutrientes pela água e pelo solo no processo erosivo, sendo as perdas equivalentes para os macronutrientes primários (nitrogênio, fósforo e potássio).

Lixivia√ß√£o: √© a percola√ß√£o (decida) dos elementos no perfil do solo para camadas mais profundas (podendo chegar at√© o len√ßol fre√°tico), fugindo do sistema radicular, √ānions (NO3, H3BO3 e SO4); c√°tions troc√°veis (K+, NH4+, Mg++ e Ca++).

Fixa√ß√£o: √© a indisponibiliza√ß√£o do nutriente, principalmente do f√≥sforo, devido a sua adsor√ß√£o no solo deixando o nutriente indispon√≠vel para a planta. √ānion (H2PO4); c√°tions met√°licos (Zn++, Cu++, Fe++ e Mn++)

Volatiliza√ß√£o: √© a perda qu√≠mica da am√īnia da ur√©ia, principalmente quando se aplica este fertilizante em superf√≠cie do solo ou sobre a palhada de cana. Queimada de palhada ocorre a volatiliza√ß√£o de (N2, N2O), (SO2) e (H3BO3).

Desnitrifica√ß√£o biol√≥gica do NO3: ocorre divido a redu√ß√£o do NO3, quando da aplica√ß√£o de nitrato de am√īnio sobre a palhada em condi√ß√Ķes de excesso de umidade, resultando em for-mas vol√°teis no nitrog√™nio.

Queima da palhada: quando da queima, ocorre volatilização do N e do S respectivamente na forma de N2 e SO2.
A cana-de-a√ß√ļcar, por apresentar v√°rios ciclos que antecedem sua reforma, √© considerada uma cultura semiperene.

Nesse aspecto deve-se pensar nos benef√≠cios que as aduba√ß√Ķes e mesmo a pr√≥pria palha deixada na superf√≠cie do solo ap√≥s as colheitas sem queima poder√£o trazer ao longo dos anos. Como exemplo tem-se os resultados obti-dos por Vitti et al.(2002a) e Vitti (2003) que verificaram resposta linear √†s doses de N na produ√ß√£o de colmos na 2¬™ soca (safra1999/2000). Essa resposta se estendeu para 3¬™ soca (safra 2000/2001), mesmo com aplica√ß√£o de dose √ļnica de N (100 kg/h√°) ap√≥s a colheita da 2¬™ soca. Esses resultados devem-se, provavelmente, ao efeito residual da aduba√ß√£o, com reflexo no vigor da soqueira de cana-de-a√ß√ļcar (Malavolta, 1994; Orlando Filho et al.,1999; Trivelin et al. 2002b). Em rela√ß√£o √†s doses de N, observou-se que houve diferen√ßa de 100% na produ√ß√£o de colmos na 2¬™ soca (safra 1999/2000), entre a maior dose e a dose zero, este trabalho mostra que mesmo em √©pocas de baixo pre√ßo da cana-de-a√ß√ļcar n√£o podemos deixar de realizar aduba√ß√£o devido √† queda de produtividade e longevidade de soqueira para os pr√≥ximos anos.

ELEMENTOS ESSENCIAIS MACRONUTRIENTES

Nitrog√™nio: o nitrog√™nio √© o nutriente exigido em maior quantidade pela maioria das culturas. No caso da cana-de-a√ß√ļcar, geralmente √© o segundo nutriente mais requerido, perdendo apenas para o K.

Fósforo: apesar de o fósforo ser exigido pelas plantas em menores quantidades que o nitrogênio e o potássio, é um dos nutrientes que mais limitam a produtividade. Deste modo, deveremos estar atentos em: como aplicar, qual a fonte, época de aplicação, outros. Para que seja absorvido, a raiz deverá encontrá-lo por meio do seu crescimento, uma vez que o mesmo é praticamente imóvel.

Pot√°ssio: o pot√°ssio √© o macronutriente re-querido em maior quantidade pela cana-de-a√ß√ļ-car. Quando suprido adequadamente, o mesmo aumenta os teores de sacarose, bem como pos-sibilita maior resist√™ncia das plantas a doen√ßas (au-menta a espessura da cut√≠cula) e pragas e evita o acamamento.

C√°lcio: a cana-de-a√ß√ļcar √© bastante exigente em c√°lcio e o retira em quantidades bem supe-riores ao P. O c√°lcio estimula o desenvolvimento das ra√≠zes e das folhas, pois faz parte das paredes celulares, dando estrutura para as plantas. Tamb√©m ajuda indiretamente na produ√ß√£o, melhorando as condi√ß√Ķes para o desenvolvimento das ra√≠zes, estimulando a atividade microbiana e a absor√ß√£o de outros nutrientes. O baixo cres-cimento do sistema radicular √© um sintoma co-mum da defici√™ncia de c√°lcio. Em casos severos, os pontos de crescimento da raiz morrem. As ra√≠zes deficientes geralmente escurecem e apo-drecem.

Magnésio: é um nutriente constituinte da clorofila e consequentemente está envolvido ati-vamente na fotossíntese, bem como no meta-bolismo do fósforo, na respiração da planta e na ativação de vários sistemas enzimáticos.

Enxofre: a defici√™ncia deste nutriente, por ser constituinte das prote√≠nas, provoca retardamento do crescimento e clorose generalizada nas folhas mais novas, que pode se estender por toda a planta; os caules ficam finos e lenhosos. As defi-ci√™ncias de enxofre ocorrem mais comumente em solos arenosos, pobres em mat√©ria org√Ęnica.

ELEMENTOS ESSENCIAIS MICRONUTRIENTES

Os micronutrientes apesar de serem exigidos pelas plantas em pequenas quantidades possuem uma import√Ęncia vital no desenvolvimento das mesmas.

Redu√ß√Ķes na produtividade e at√© morte das plantas s√£o consequencias naturais da falta desses nutrientes. Os solos arenosos e com baixo teor de mat√©ria org√Ęnica s√£o os mais propensos a apresentar defici√™ncias de micronutrientes.

ADUBAÇÃO EM SOQUEIRA DE CANA-DE-AÇÚCAR

O quadro acima indica as necessidades de uma aduba√ß√£o sustent√°vel em cana-de-a√ß√ļcar para soqueiras queimada e crua, por√©m deve considerar an√°lise de solo, principalmente a quantidade de K no solo para determinar a f√≥rmula mais adequada para √† aduba√ß√£o e necessidades de calagem e gessagem.

Artigo escrito por:
Eng.¬ļ Agr. Marcos A. Zeneratto - Coopercitrus Ol√≠mpia


Olicana - www.olicana.com.br
 
27/12/19    OLICANA implanta sistema de Energia Fotovoltaica
06/12/18    Comunicado
31/08/18    Aplicador Inseticida de Soqueira
13/12/17    Comunicado de F√©rias
09/05/17    Edital de Venda de Ve√≠culos
13/03/17    Agendamento de Pr√©-analise
12/12/16    Desejamos um Feliz Natal
 
 
© Copyright - Associação dos Fornecedores de Cana da Região de Olímpia/SP
Proibida a cópia parcial do conteúdo deste site sem autorização escrita de seus idealizadores.
WebSite Desenvolvido por: OlímpiaWeb